sexta-feira, 19 de julho de 2019

Ego Inflado



Ego inflado, o que é isso?
Os trabalhos psicapométricos têm nos revelado que grande parte dos desequilíbrios apresentados pelos consulentes estão relacionados e esse tipo de inflação da personalidade. 
Carl G. Jung explica que em geral isso se dá em casos de complexos de inferioridade com impulsos compensatórios de autovalorização. Traduzindo para a nossa realidade, toda inflação da personalidade é apenas uma forma que indivíduo encontra de convencer-se de que não é o ser desprezível que esconde em seu inconsciente, com o qual convive em um diálogo interno constante e sofre influência.

Essa inflação pode se apresentar de várias formas: agressividade, orgulho, vaidade, arrogância, enfim, a lista é grande. Cada uma dessas indumentárias negativas que usamos, fazem a gente acreditar que com a mudança de postura e fazendo uso desse mecanismo compensatório, iremos criar uma força que possa se opor aos complexos (ou personalidades, como costumamos dizer na psicapometria) que estão vivos eu nosso campo psíquico. 

Os trabalhos nos revelam que essas estruturas inconscientes trazem grandes níveis de carga afetiva, principalmente de vidas passadas, como se o evento problemático permanecesse vivo e o personagem continuasse existindo, até mesmo, conservando sua autonomia. Infelizmente a psicanálise ou, mesmo a psicologia analítica, não partem desse pressuposto, por isso tentam atribuir a causa de todos os complexos aos problemas da infância, quando muito, ensaiam, como Jung, causas mais profundas usando uma terminologia própria, como: inconsciente coletivo, arquétipos, etc.

O orgulho, por exemplo, dentro deste contexto, tranforma-se em uma máscara, um meio de apresentar-se perante o mundo com uma personalidade lustrada, tendo em vista a grande influência que sofre dos seus instintos gregários, ou seja, precisa ser aprovado, encontrar uma forma de conseguir ser aceito pela tribo, por isso infla a sua personalidade de forma artificial com uma postura que pode ser facilmente esvaziada, através de qualquer situação humilhante.

Isso explica por que não conseguimos humilhar uma pessoa humilde, só pedemos humilhar pessoas orgulhosas, arrogantes e infladas.

O humilde não está se importando com a tribo, não se preocupa com a imagem que fazem dele e não está em busca de aprovação. O humilde olha para dentro de si e não para fora, busca meios de resolver suas inclinações indesejáveis e apresenta-se sem máscaras.

É comum encontrarmos pessoas humildes por aí? Não... é muito raro, quase todo mundo faz uso de algum tipo de máscara, sabem porquê? Por que não aprendemos a gostar de nós mesmos, a nos perdoarmos, a nos aceitarmos, estamos o tempo todo querendo mudar algo em nós para nos ajustarmos aos modelos que nos são apresentados. 

Entendem agora por Jesus dizia que quem se elevar será rebaixado? Entendem por que Krishna disse a Arjuna que ele deveria lutar contra os seus familiares? Seus familiares eram essas máscaras com as quais nós nos identificamos e passamos a apreciá-las. Precisam ser destruídas.

Eis o tamanho da nossa luta!


Autor: Paulo Tavarez
   
Terapeuta Holístico, Palestrante, Musico, Instrutor de Yoga, Pesquisador, escritor, nada disso me define.
Eu sou o que Eu sou!

E-mail: paulo.tavarez@cellena.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ultimo Artigo

O que o Yoga não é

Yoga significa união. A raiz “jug” da palavra em sânscrito, significa jungir (unir). O propósito do yoga é a união com o Absoluto, a re...

Últimos artigos