sexta-feira, 19 de julho de 2019

Não querer é poder



As pessoas insistem em reclamar do mundo. Uns dizem que é injusto, outros que é violento, outros ainda que é atrasado, enfim, faz parte do senso comum desaprová-lo.Será que o mundo é violento ou as pessoas são violentas? será que o mundo é injusto ou somos todos injustos? Na verdade, o mundo é apenas um espelho onde projetamos as nossas mazelas psíquicas, nada mais do que isso. Você é o problema, aliás, você é o único problema que vai ter que enfrentar durante a sua existência nesse mundo. Tudo que não presta, que está errado, que é inadequado, está dentro de você. Pare com essa ladainha de reclamações e assuma a responsabilidade por suas vulnerabilidades. Você acredita que é fraco e espera que o mundo não seja hostil, você acredita que incapaz e espera que o mundo te ofereça oportunidades, você pensa que é bom e julga o mundo como o mal, etc., Não percebe o tamanho dessa insanidade?

Se o mundo é ruim pra você, saia do mundo, é simples. Não estou falando em se matar não, pelo amor de Deus! Estou querendo dizer que é necessário perder a identificação com a paisagem e deixar de ser afetado por aquilo que é ilusório, pois o mundo é apenas um reflexo da nossa sombra. Tudo aquilo que aparece e desaparece não pode ser real, pois o Real é aquilo que permanece por toda a eternidade, como a nossa Consciência.

Ramakrishna nos ensina que devemos viver no mundo sem sermos do mundo, eu vou além, com todo respeito a esse grande iluminado: não é preciso ocupar-se de viver, ou preocupar-se com a melhor forma de viver, já somos a própia Vida, pois a existência eterna é um dos nossos atributos, não há porque nos ocuparmos com isso, basta apenas ser o que se É. E o mundo com o qual nos envolvemos ou personagem com o qual nos identificamos, fazem parte do não-ser.

Por que viver no mundo? Por que envolver-se tão intensamente com a experiência, qualificando os eventos sempre de forma negativa?

O mundo nunca foi e nunca será um problema, as pessoas é que são problemáticas, pois são elas que problematizam. O indivíduo precisa entender, de uma vez por todas, que tudo aquilo que o irrita é problema dele. Se o mundo está desconfortável, é preciso entender que o descorto é subjetivo, pois aquilo que para alguns é desagradável, para outros agrada. Não se pode ajustar o mundo de forma a fazer com que ele corresponda às expectativas de ninguém, pois todo o ajuste acontece no interior de cada um, através de uma mudança radical de perspectiva.

O mundo é o que é: as montanhas continuam no mesmo lugar, o dia, a noite, os mares, o vento, até mesmo os desastres naturais estarão sempre presentes. Saia do mundo, viva como um espectador de tudo, sem envolver-se emocionalmente com as informações externas, afinal, você é única coisa que irá sobreviver a tudo isso. O mundo é impermanente, serve apenas como um estágio de aprendizagem, cada um estará vivendo experiências necessárias às suas demandas internas, nada mais do que isso. Tudo aquilo que você insistir em ajuntar irá perder, tudo aquilo que você conseguir perder irá libertá-lo.

Acredite, meu amigo, estamos aqui para aprender a perder, pois só aquilo que perdemos é importante. Em contrapartida, tudo aquilo que ganhamos irá nos escravizar e trará sofrimento. Como dizia o poeta português, Fernando Pessoa: "Liberdade depende de renúncia, não querer é poder".





Autor: Paulo Tavarez
   
Terapeuta Holístico, Palestrante, Musico, Instrutor de Yoga, Pesquisador, escritor, nada disso me define.
Eu sou o que Eu sou!

E-mail: paulo.tavarez@cellena.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ultimo Artigo

O que o Yoga não é

Yoga significa união. A raiz “jug” da palavra em sânscrito, significa jungir (unir). O propósito do yoga é a união com o Absoluto, a re...

Últimos artigos