sexta-feira, 19 de julho de 2019

O poder do silêncio



O silêncio é o instrumento mais poderoso que você possui. Se você entendesse o poder que tem nas mãos e a eficácia dessa poderosa arma, encontraria resultados instantâneos para transformar a própria realidade. Só o silêncio poderá libertá-lo do cárcere criado pelas memórias ou pelas expectativas que o atormentam, só o silêncio poderá trazê-lo para o presente e fazê-lo enxergar aquilo que é óbvio: que todo o caos que existe em sua mente é uma ilusão e todos os componentes desse caos estão no passado ou no futuro.

O silêncio é um bicho que precisa ser alimentado para que possa crescer, ganhar força, transformar-se em uma entidade dentro da estrutura do seu Ser e só pode ser nutrido com a meditação.

Meditar é tirar a importância dada aos pensamentos, sejam eles quais forem, eles só podem sobreviver com o nosso consentimento, nós é que damos importância a eles. O homem, lamentavelmente, não aprendeu a transmutar os pensamentos, não descobriu como remover a carga afetiva de todas as substância mentais que o incomodam e, por isso, vive criando mecanismos de fuga para escapar desses incômodos. Isso explica toda a nossa ânsia em busca do entorpecimento provocado pelos prazeres efêmeros.

Apenas a Consciência existe, apenas a Consciência é real, todos os pensamentos são informações concentradas de elementos emocionais, sobrevivem em função do significado que damos a eles, afetam-nos por estarmos identificados com o personagem da experiência e precisam do nosso envolvimento nos enredos que estiverem criando.

Tentamos, em vão, realizar esse personagem (ego), quando deveríamos nos livrar dele. Busque o Sujeito e não o objeto em sua meditação, direcione essa meditação para o próprio Ser, enquanto houver algum ponto o representando e promovendo em você algum tipo de identificação, você estará distante da sua verdadeira natureza. Será preciso buscar o silêncio primordial da Consciência. Como explica Arnaldo Antunes na música “O Silêncio”, o silêncio foi a primeira coisa que existiu, o silêncio que ninguém ouviu.

O Silêncio é, portanto, a única realidade, o Sujeito, o Self, Deus, o Pai, Allah, enfim, o silêncio é você, sou eu, somos todos nós, pois ele é a Essência Divina, portanto, nada menos do que a própria Vida.

Não é preciso buscar a realização, tentando construir um vida perfeita, encaixada nas suas expectativas, pois você já é a própria Vida, nada além daquilo que você já é deveria continuar tendo tanto significado, acredite, todo o resto são fogos de artifício que prendem a nossa atenção, mas que são fugazes.

O barulho é próprio dos homens e o silêncio é próprio de Deus.
O homem é apenas uma experiência, ao passo que Deus é a sua Realidade.
Passou da hora de você entender que é Deus!




Autor: Paulo Tavarez
   
Terapeuta Holístico, Palestrante, Musico, Instrutor de Yoga, Pesquisador, escritor, nada disso me define.
Eu sou o que Eu sou!

E-mail: paulo.tavarez@cellena.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ultimo Artigo

O que o Yoga não é

Yoga significa união. A raiz “jug” da palavra em sânscrito, significa jungir (unir). O propósito do yoga é a união com o Absoluto, a re...

Últimos artigos