sexta-feira, 19 de julho de 2019

Ouvidos para ouvir



Não há nada que você possa fazer, aliás, quem é você? Quem é esse fazedor? Perceba, o seu papel é participar, testemunhar, aceitar e entregar-se ao que está sendo feito, pois o que acontece é sempre o melhor. Deus não escreve certo por linhas tortas, escreve certo por linhas certas, é a sua visão que é torta. Toda vez que você interfere, apenas atrapalha. Você cria um bagunça gigantesca e passa a vida tentando arrumá-la, por que tudo isso? Por que não deixar que a própria vida cuide de você? Você é essa Vida!


Entenda, você nunca esteve no controle, mas as suas demandas internas sim, são elas que mandam. Elas recebem uma coordenação do próprio Universo para serem atendidas, surgem de um fonte - conhecida no ocidente pelo nome de Vontade e estão em um patamar de poder superior ao seu. A humildade de saber que nada depende de ti é extremamente libertadora, pois quando você assume o controle a coisa desanda, justamente por não tratar-se de você, na verdade, são os seus desejos que assumem a direção e eles retratam toda a contextura de um falso eu. São os desejos que nos prendem como um cavalo olhando para uma cenoura que nunca será alcançada.

Os desejos funcionam como o combustível de um mundo ilusório: o mundo de Maya. Não  há o que desejar, você quer mais o quê? Sendo Eterno, Consciente e Bem Aventurado, o que te falta? Falta assumir a sua Verdadeira Natureza, só isso, e por isso você veio a esse mundo: para conhecer-se. Entretanto, para lograr êxito nessa missão, você precisa livrar-se de você, desapagar-se dos desejos e necessidades fictícias, perder o interesse pelo mundo, por conquistas, por sonhos, por vitórias, por qualquer coisa que possa prender o seu interesse. É preciso desinteressar-se do mundo para transcendê-lo. Acredite amigo, quanto mais profundas forem as suas pegadas na experiência terrena, mais você irá sofrer para apagá-las. Felizes, na verdade, são aqueles que sofrem mesmo, pois serão eles os primeiros a desinteressarem-se  pelas coisas. O sofrimento liberta ao passo que o prazer escraviza. Tudo aquilo que valorizamos nos prende em gaiolas de ouro. O desejo nos faz ansiosos, preocupados, criam frustrações e revestem a nossa alma de ódio e revolta. 

Sei que  poucos terão condição de compreender a profundidade disso, poucos terão  ouvidos para ouvir o que estou dizendo (ou olhos para ler), mas a semente está  lançada. Cabe a você uma escolha: ou você continua vivendo na Matrix, apaixonado pelo mundo, ou acorda e transforma-se naquilo que você nasceu para ser. "Torna-te quem tu és" Nietzsche. 

Queira nada, faça nada, seja nada, pronto, você irá conhecer-se. Todo desejo irá sempre provocar dor, quanto mais você desejar, mais irá sofrer. Toda ação sua deveria ser um ato de amor, pois só o amor desconstrói as mazelas da alma. Todas as vezes que você inflar-se de importância, estarás sujeito as ações da própria Vida para desinflá-lo. Jesus ensinava que aqueles que se elevam serão rebaixados e isso não pode ser apenas uma frase perdida nas escrituras.

Você já é tudo aquilo que precisa ser, já tem tudo aquilo que sonha, só falta acordar e sair desse transe. Lute contra tudo aquilo que tentar entorpecê-lo, reaja aos impositivos ilusórios desse mundo sedutor. Está na hora de você fazer o caminho de volta, afinal, o mundo não teve solução para as suas angústias. Volte, portanto, para a sua Ítaca, sua amada te espera. volte para onde você nunca deveria ter saído, volte para dentro de si.



Autor: Paulo Tavarez
   
Terapeuta Holístico, Palestrante, Musico, Instrutor de Yoga, Pesquisador, escritor, nada disso me define.
Eu sou o que Eu sou!

E-mail: paulo.tavarez@cellena.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ultimo Artigo

O que o Yoga não é

Yoga significa união. A raiz “jug” da palavra em sânscrito, significa jungir (unir). O propósito do yoga é a união com o Absoluto, a re...

Últimos artigos