Procure o ego, e ele desaparece



O ego é apenas uma ilusão, nada mais. Tente localizá-lo e veja se é possível estabelecer qualquer tipo de contato com ele. Impossível, o que existe é apenas uma crença na existência de um personagem qualquer. Você se identifica, portanto, com uma crença e deu a essa crença o nome de ego, só isso. Você tenta, também, reconhecê-lo no corpo, mas isso é um absurdo, o corpo é apenas massa. O cérebro é apenas massa, então, onde está o ego?

O ego é fruto da nossa ignorância, mas o que é a ignorância? Simplesmente nada, a ignorância é só uma ausência; um campo vazio onde construímos todo um cenário ilusório. A ideia do vazio sempre nos assustou, pois tudo aquilo que desconhecemos nos assusta, ninguém teme o que conhece, só teme aquilo que é desconhecido, por isso, a ignorância é a causa do sofrimento como postula Buda.

A ignorância é mãe de todos os nossos medos. O medo, por sua vez, nos induz às crenças e padrões de comportamento, com isso, todo um programa emocional é elaborado.

O homem traz em si, a partir do seu cérebro reptiliano, uma tendência de lutar ou fugir daquilo que o ameaça. No caso desse vazio primordial chamado ignorância, a única forma que encontrou de lidar com ele foi fugindo, e fugiu agarrando-se a conceitos, valores, normas, regras, crenças e aceitando todo tipo de doutrinação. Sem perceber o tamanho do equívoco, transformou-se em um ser artificial, perdendo completamente o contato com a realidade, mergulhando nas profundezas do mundo de Maya e tentando realizar-se como um andróide.

Esse ser não é real, é um ilusão, portanto, não existe. Não podemos chamar esse construto mental de espírito, nem mesmo de ego espiritual, pois esse personagem é um farsa, foi elaborado na argila da nossa ignorância e o que é a ignorância? Como disse, apenas uma ausência.

Na verdade, ainda vagamos como cegos no território da mente, envolvidos pelas nossas próprias criações e convivendo com as criações alheias. É isso que chamam de plano astral. Estamos presos em um mundo de profunda contaminação psíquica. O Universo, para pôr ordem na casa, criou as ‘muitas moradas’ que não são nada mais do que faixas vibratórias que forçam essas energias a se juntarem.

Como poderemos nos livrar de tamanha identificação? Simples, pare de envolver-se com os acontecimentos. Deixe a Vida agir, ela irá assumir o comando, pois essa Vida é você e você não quer permanecer sonhando, pelo contrário, trabalha incessantemente pelo próprio despertar. Esse é o seu verdadeiro Eu. Durante todo tempo você o ignorou, mas ele se manteve em compasso de espera, agindo sem a sua consciência e, muitas vezes, esperando você se desvencilhar dos próprios novelos psicológicos. Ela sempre esteve aí, testemunhando tudo e agindo a seu favor. A favor de quem? De um ego que jamais existiu.

Esquece tudo e volte a ser o que você sempre foi: a Vida eterna, perfeita e imutável. O ego é apenas um flor que nasceu no asfalto, não terá o respaldo do seu verdadeiro ecossistema para sobreviver. Apenas seja!




Autor: Paulo Tavarez
   
Terapeuta Holístico, Palestrante, Musico, Instrutor de Yoga, Pesquisador, escritor, nada disso me define.
Eu sou o que Eu sou!

E-mail: paulo.tavarez@cellena.com.br

Comentários

Últimos artigos

Captação Psíquica

Desperte o Leão que existe em você

Plenitude

Aprenda a calar a boca!