Viver no mundo sem ser do mundo



A felicidade é o nosso estado natural, mas infelizmente vivemos de forma artificial, totalmente inconscientes de nossa natureza, totalmente divorciados daquilo que somos em essência.

Agimos como androides programados por crenças, tradições, verdades filosóficas e assim por diante, desta forma, ser feliz, tornou-se o nosso maior desafio, pois ninguém é educado para buscar a verdadeira felicidade, pelo contrário, sofremos uma pressão gigantesca para vencer, prosperar e alcançar um pódio qualquer. 

Somos compelidos a atuar no palco da existência através da máscara de uma personagem qualquer, acreditando apenas na realidade do corpo, das sensações, dos sentidos e presos às injunções orgânicas. Como insetos ao redor de uma lâmpada, vivemos em busca do prazer como única resposta para o nosso bem estar.

Criamos uma identificação tão profunda com essa personagem que fica difícil reconciliar-se com a própria alma. 

O que nos leva a essa condição? Como é possível mudar esse cenário na própria consciência? Como deixar de envolver-se tão intensamente com o enredo de nossa experiência corporal sem deixar de colocar tanta carga afetiva nos eventos? 

É simples, basta olhar para o mundo e para si com outros olhos, entendendo que o manifesto é impermanente e se dissolve como tudo aquilo que não é real. Tudo aquilo que tem começo e fim não é real, faz parte de um linguagem qualquer. 

A única realidade eterna e perfeita é o Self, todo o resto faz parte de um jogo cósmico voltado para o desenvolvimento de uma única coisa: nossa noção de realidade. 

Estamos aqui, passando pelas vicissitudes da existência para conseguirmos discernir sobre a Realidade. Enquanto estivermos presos aos nossos desejos, cegos de paixão, atordoados pelo apego excessivo aos fenômenos da existência, às pessoas e coisas, continuaremos distantes dos objetivos que nos trazem aqui. 

Ramakrishna ensinava: "Pode o barco estar na água, mas a água não deve estar no barco. Pode o aspirante viver no mundo, mas o mundo não deve viver dentro dele". 

Jesus, Krishna, Buda, Ramana, Nisargadatta e tantos outros iluminados disseram a mesma coisa, de formas distintas, todos eles falaram do desapego e da renúncia necessários para a transcendência da nossa natureza fictícia.

Quando Herodes pergunta a Jesus: "Então, tu és rei?", o Nazareno suavemente responde: "Só vim ao mundo para testemunhar a verdade". É isso, Jesus exemplifica que a melhor forma de nos relacionarmos com esse mundo é apenas adotando um condição de testemunha, sem querer interferir ou lutar contra a realidade. 

Sei que é difícil adotar um comportamento tão radical, principalmente pelo fato de trazermos inúmeros condicionamentos e estarmos profundamente identificados com as sensações e energias pesadas do escafandro de carne que nos aprisiona nesse oceano de ilusões que é a vida na Terra, mas é preciso ponderar. 

Para quebrar os grilhões que nos prendem nesse ambiente limitado pela dor e pelo prazer teremos que diminuir a importância exagerado que damos aos eventos e lutar contra os nossos desejos. Será necessário ainda bater nas portas da própria consciência e entender que tudo aquilo que buscamos já temos, apenas desconhecemos.

Viver no mundo sem ser do mundo, eis o segredo da felicidade.



Autor: Paulo Tavarez
   
Terapeuta Holístico, Palestrante, Musico, Instrutor de Yoga, Pesquisador, escritor, nada disso me define.
Eu sou o que Eu sou!

E-mail: paulo.tavarez@cellena.com.br

Comentários

Últimos artigos

Captação Psíquica

Desperte o Leão que existe em você

Plenitude

Tudo está em você