Os três degraus da condição humana







Existem três degraus primordiais para a humanidade, eles representam os diferentes níveis de evolução do próprio ser humano e existe uma imposição da própria Natureza para subirmos cada um deles, pois todo o Universo trabalha no sentido de nos empurrar para cima, até o topo dessa escada. Se estamos passando por algum tipo de sofrimento significa que existem resistências da nossa parte, simplesmente porque não queremos continuar na subida, é muito mais confortável acomodar-se na inércia. Desta forma, permanecemos em zonas de conforto, nutrindo velhas crenças e conceitos ultrapassados que não atendem mais às demandas das atualidade e, finamente, alimentamos hábitos que nos mantêm entorpecidos, na mais profunda inação. 

O primeiro desses degraus representa o nível físico, onde o indivíduo é apenas peça de um tabuleiro cósmico, como o peão de um jogo de xadrez, como uma folha que desprendeu-se da árvore e está sendo conduzida pela correnteza. Tudo nesse período resume-se a contemplar e participar dos movimentos da existência sem muitas exigências. 

Os indivíduos que estão nesse estágio são absolutamente ignorantes da sua própria natureza e estão totalmente encarnados na terceira dimensão; eles buscam a felicidade nas coisas materiais e nos desejos carnais e desconhecem outra realidade. Fazem isso sem demonstrar qualquer interesse pela investigação de si mesmo. São verdadeiros cadáveres ambulantes, mortos enterrando mortos, walking dead’s vagando na escuridão da ignorância. Representam uma ave vivendo dentro do ovo, perfeitamente adaptada à sua primeira morada e totalmente inconsciente das dimensões do Universo. Se o homem, como ensina Nietzche, é uma corda atada entre o animal e o além do homem, esse estágio é o estágio do animal. 

O segundo degrau é bem mais complicado, representa o estágio das emoções, onde o homem entra em confronto consigo mesmo, onde ele começa a sentir a aproximação da própria sombra e precisa interagir com os conteúdos armazenados no inconsciente. Nesta fase, ele convive com angústias, ansiedade, preocupações e uma série de desconfortos que surgem com o intuito de forçá-lo a olhar para si. É uma fase de luta onde destaca-se o mito do herói, onde nos colocamos diante de uma saga de enfrentamentos de nós mesmos, onde somos compelidos a enfrentar os dragões, minotauros, medusas, magos e uma série de personagens que existem na escuridão do próprio ser. Esta é a fase da luta interna, luta contra nossas inclinações negativas, contra os nossos medos e assim por diante. É um a fase de expansão, de quebrar a casca do ovo, de lançar-se no vazio para alçar voo, enfim, uma fase de desconstrução de um programa psicoemocional construído no degrau de baixo. 

O terceiro degrau é o degrau da Consciência, representa o retorno do rei, a volta do filho pródigo, a realização daquele que venceu, o cume alcançado pelo alpinista, o Reino de Deus encontrado dentro de si mesmo e tem sido representado de forma mitológica e artística de inúmeras formas. 

No estágio da consciência, o homem já não processa de forma emocional a sua experiência, portanto, não se afeta tão facilmente pelos eventos externos. Não julga, não condena, não racionaliza nada, apenas é uma testemunha. O mundo começa a tornar-se menos interessante para ele, não existe mais um envolvimento tão intenso com os acontecimentos, pois a expansão da consciência colocou-o no trono do próprio ser e a aparente desordem que ele observa em seu Reino não o atinge mais. Vive de forma estoica, entende o que ele é, sabe que está apenas testemunhando um campo de informações conhecido como mente e não sofre com envolvimentos inadequados com o Samsara. 

É o estágio da iluminação, pois iluminado é aquele que conseguiu acender as luzes da própria alma. Agora ele é aquele que libertou-se, conheceu a sua Verdadeira Natureza e despertou. Agora não é mais uma lagarta em luta para sair do próprio casulo, tornou-se uma borboleta e os desafios serão outros, de intendências são muito maiores.

Você consegue identificar em que degrau encontra-se?

Autor: Paulo Tavarez   Conheça meu artigos: Terapeuta Holístico, Palestrante, Psicapômetra, Instrutor de Yoga, Pesquisador, escritor, nada disso me define. Eu sou o que Eu sou! Conheça mais sobre mim em: www.paulotavarez.com - Instagram: @paulo.tavarez
E-mail: paulo.tavarez@cellena.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os chakras e o sintema endócrino

Captação Psíquica

Aprenda a calar a boca!